quarta-feira, 6 de junho de 2018

Resenha: Um Estranho no Ninho - Ken Kesey - Editora Best Seller


Um Estranho no Ninho
Autor: Ken Kesey
Editora: Best Seller
Categoria: Drama
ISBN: 978-85-7799-042-9
 418 Páginas
1º Edição – 1962

Sinopse

Um clássico da contracultura que retrata os psicodélicos anos 60. O romance de Ken Kesey é inspirado em suas próprias experiências quando participou de pesquisas com drogas psicoativas no centro psiquiátrico do Menlo Park Veterans Hospital (Califórnia). Um estranho no ninho é protagonizado por R. P. McMurphy, um preso que escapa da condenação fingindo-se de louco. McMurphy é então internado em um hospício, sob a tutela da sádica Chefona, a enfermeira Ratched, que comanda os internos com suas rigorosas sessões de terapia e eletrochoque. Aos poucos McMurphy percebe que o hospício pode ser muito pior que a prisão, nesse novo universo cercado de pacientes inseguros, ansiosos e constantemente dopados. Pessoas que buscaram refúgio da sociedade no hospício. Um livro louco, mas muito real.




“Um Estranho No Ninho” está longe de ser uma leitura fácil. A realidade exposta por Ken Kesey pode até ser distante daquilo que conhecemos em relação a tratamentos psicoterápicos atualmente, porém ainda assim a sensação de incômodo permeia toda a leitura. A maneira como os fatos são expostos de maneira crua acentuam o processo de desumanização ao qual McMurphy e seus companheiros são submetidos na ala psiquiátrica do hospital.  Dos tratamentos de eletrochoque ao controle metódico das atividades dos pacientes, tais questões tornam a leitura ainda mais densa.

Em alguns momentos é impossível discernir realidade de alucinação, tamanho é o estado de histeria. Isto é evidenciado em trechos onde a enfermeira Ratched – um perfil interessante, no limite entre a obsessão e a psicopatia, com uma capacidade de dissimulação assustadora – e seus assistentes iniciam a emissão de uma suposta neblina, capaz de alterar a percepção dos personagem em relação àquilo que acontece ao redor dos mesmos. Outra situação envolve o período de descanso, onde suspeita-se que Ratched controla a iluminação da ala psiquiátrica para que os pacientes durmam pouco.

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Review: The Handmaid's Tale - A série do momento!



Sinopse

Depois que um atentado terrorista ceifa a vida do Presidente dos Estados Unidos e de grande parte dos outros políticos eleitos, uma facção catolica toma o poder com o intuito declarado de restaurar a paz. O grupo transforma o país na República de Gilead, instaurando um regime totalitário baseado nas leis do antigo testamento, retirando os direitos das minorias e das mulheres em especial. Em meio a isso tudo, Offred é uma "handmaid", ou seja, uma mulher cujo único fim é procriar para manter os níveis demográficos da população. Na sua terceira atribuição, ela é entregue ao Comandante, um oficial de alto escalão do regime, e a relação sai dos rumos planejados pelo sistema.




Sabe quando alguém está de bobeira e acaba encontrando um artigo sobre uma série estreante que estava destruindo todas as estruturas possíveis do entretenimento? Este era eu ano passado, e a série era “The Handmaid’s Tale”. Criada por Bruce Miller com base no livro “O Conto da Aia” de Margaret Atwood, esta série – vencedora do Emmy e do Globo de Ouro de Melhor Série Dramática – tem como objetivo entreter através do questionamento, e nos assustar com uma realidade que pode não estar tão distante assim.

Uma crise de fertilidade atingiu o mundo, e uma minoria religiosa extremista nos EUA pôs a culpa na cultura e na sociedade, que estava se desviando dos “valores divinos”; com isto, dão um golpe de estado e transformam o país na República de Gilead. Nela, diversas minorias sociais ou figuras controversas são perseguidas: homossexuais, considerados traidores do gênero, são condenados à morte ou ao trabalho escravo nas colônias – local onde há grande concentração de lixo radioativo, o que se configura como uma condenação indireta à morte; pastores evangélicos e médicos que realizaram abortos sofrem o mesmo destino. Porém, a opressão às mulheres é a mais assustadora; são negados a elas direitos básicos, como posse monetária, voto, emprego e até mesmo ACESSO À LEITURA. Também, qualquer tipo de conhecimento produzido por mulheres é destruído.


segunda-feira, 28 de maio de 2018

Resenha: Uma Proposta e mais nada - Mary Balogh - Editora Arqueiro

Resultado de imagem para capa livro uma proposta e mais nd

Uma Proposta e mais nada
Autora: Mary Balogh
Categoria: Romance de Época
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580418170
272 Páginas
1ª Edição - 2018


Sinopse

Após ter tido sua cota de sofrimentos na vida, a jovem viúva Gwendoline, lady Muir, estava mais que satisfeita com sua rotina tranquila, e sempre resistiu a se casar novamente. Agora, porém, passou a se sentir solitária e inquieta, e considera a ideia de arranjar um marido calmo, refinado e que não espere muito dela.

Ao conhecer Hugo Emes, o lorde Trentham, logo vê que ele não é nada disso. Grosseirão e carrancudo, Hugo é um cavalheiro apenas no nome: ganhou seu título em reconhecimento a feitos na guerra. Após a morte do pai, um rico negociante, ele se vê responsável pelo bem-estar da madrasta e da meia-irmã, e decide arranjar uma esposa para tornar essa nova fase menos penosa.

Hugo a princípio não quer cortejar Gwen, pois a julga uma típica aristocrata mimada. Mas logo se torna incapaz de resistir a seu jeito inocente e sincero, sua risada contagiante, seu rosto adorável. Ela, por sua vez, começa a experimentar com ele sensações que jamais imaginava sentir novamente. E a cada beijo e cada carícia, Hugo a conquista mais – com seu desejo, seu amor e a promessa de fazê-la feliz para sempre.





"- Não é fácil odiar quando já se viveu o bastante para saber que todo mundo caminha por uma trilha difícil pela vida e nem sempre toma decisões sábia ou admiráveis. Existem poucos vilões de verdade, talvez nenhum. Embora existam uns poucos que estão perto de se enquadrar nessa categoria.", P. 193


Que leitura prazerosa, intensa e produtiva!!!

Uma Proposta e nada mais é o primeiro livro da série "Clube dos Sobreviventes", da Mary Balogh, e se depender desse primeiro livro, a série será sucesso absoluto!

Com personagens fortes que têm histórias "trágicas", cada um carrega seu peso emocional de tentar viver bem, sem reviver o passado, mas ao mesmo tempo a história se passa de forma super gostosa de ser lida.

 
Copyright 2009 Ilusões Noturnas